04.09.2023
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
Avaliar
Com vários elementos decorativos, o estilo maximalista ajuda a criar ambientes inusitados (Projeto: Portobello / Foto: Guto Campos)

Maximalismo: liberdade e autenticidade na decoração dos ambientes

 minutos de leitura
calendar-blank-line
04.09.2023
Conheça o maximalismo, estilo que se contrapõe ao minimalismo, e descubra como adotá-lo na decoração para deixar os ambientes com a sua cara
minutos de leitura

O maximalismo, estilo de decoração associado à estética do excesso, é tendência na arquitetura de interiores. Baseado na filosofia de que “mais é mais”, ele se opõe diretamente ao “menos é mais” do minimalismo.

Essa contraposição valoriza a liberdade criativa na personalização dos ambientes. Assim, abre um universo de possibilidades para quem deseja decorar em grande estilo, misturando cores e formas.

Quer criar espaços únicos? Saiba mais sobre o maximalismo: o que é, como surgiu, quais são as principais características e como aplicá-lo na decoração!

O que é o maximalismo?

Sala de jantar e estar com paredes revestidas de diversas maneiras
Sem regras, o maximalismo dá vazão à criatividade e à autenticidade (Projeto: Adriana Cristina Piva de Faria / Foto: Guto Campos)

Maximalismo é o nome dado ao estilo que valoriza o exagero e as possibilidades de mistura de cores, texturas, formas e materiais na decoração.

Em vez de ambientes marcados por cores neutras e espaços vazios, esse conceito busca preencher todos os cantos com combinações personalizadas.

Diferentemente do minimalismo, não existe preocupação com a sobrecarga visual ou regras a serem seguidas.

Pelo contrário: o maximalismo surge como um movimento de oposição ao excesso de regras no universo da decoração. Permite todo tipo de combinação e extravagância.

Dessa maneira, serve como inspiração para quem deseja criar composições inesperadas, criativas e únicas.

Ao conferir liberdade, a decoração maximalista estimula a mistura entre o tradicional e o moderno; entre o sofisticado e o simples. Quanto mais itens e estampas, melhor!

Atualmente, ele ganha admiradores por ampliar as experiências. Isso porque os objetos presentes nos ambientes traduzem a personalidade dos moradores, pois carregam afeto e histórias.

Como surgiu o maximalismo?

Ao fazer uma pesquisa sobre maximalismo, você vai notar que o termo aparece associado a diversas linguagens artísticas: artes visuais, música, literatura etc.

Embora seja usado em contextos distintos (modernismo e pós-modernismo) nesses campos, ele sempre se refere aos excessos e à heterogeneidade.

Na arquitetura, o pós-moderno Robert Venturi, vencedor do Prêmio Pritzker, foi quem impulsionou o estilo maximalista.

Conhecido por obras gigantescas, ele cunhou a expressão less is bore — em bom português, “menos é chato”. 

Foi uma oposição direta ao “menos é mais”, lema do arquiteto Mies van der Rohe, um dos maiores expoentes do minimalismo.

Cozinha em tons neutros com backsplash azul que chama a atenção
O maximalismo mostra que excesso não quer dizer bagunça (Projeto: MC2 ARQUITETURA)

Durante os anos 1970, outros profissionais aderiram ao maximalismo, fazendo com que o movimento ganhasse força na decoração.

A sua popularidade recente está ligada à exclusividade. Afinal, por meio da mistura entre diferentes elementos, é possível criar espaços que revelam a personalidade de quem os usa.

E a busca por ambientes únicos é crescente, sobretudo por aqueles que enxergam o lar como uma extensão de si.

Leia também:

Quais são as principais características do maximalismo?

Embora não tenha regras, a decoração minimalista costuma se expressar por meio de algumas características principais. Veja quais são elas nos tópicos a seguir.

Mistura de estilos

Entre os estilos mais presentes em projetos de decoração maximalista estão o clássico, o barroco, o moderno, o pós-moderno e o contemporâneo.

Mas o céu é o limite!

No maximalismo, a mistura entre diferentes estilos no mesmo ambiente não é apenas uma possibilidade, mas faz parte de suas características.

Harmonia visual

Ao ouvir falar de decoração maximalista pela primeira vez, talvez você fique com a impressão de desordem.

No entanto, a mistura entre estilos, cores e outros elementos nas composições pode ser, sim, harmoniosa.

Por meio do layout dos ambientes, a disposição dos objetos e o uso de cores complementares, por exemplo, é possível alcançar o equilíbrio visual.

Composições inesperadas

Sala de estar rica em detalhes: cobogós, plantas, marcenaria azul, tapete estampado, teto de madeira e papel de parede verde
Gerar surpresa nas pessoas é um dos efeitos do maximalismo (Projeto: Juliana Marodin Cordeiro / Foto: Guto Campos)

Outra característica marcante do maximalismo é o ineditismo das composições dos ambientes.

Ao superar as expectativas, a decoração recebe outro status e provoca novas sensações em quem utiliza os espaços.

A mistura de cores, texturas, estampas, formas e padrões diferentes costuma produzir efeitos surpreendentes.

Além dos objetos, as plantas também são bem-vindas, pois ajudam a criar uma espécie de “bagunça organizada”.

Valor emocional dos objetos

Em um primeiro momento, a mistura de itens pode parecer aleatória. Mas não é bem assim.

Isso porque, para a decoração ter a “cara” de alguém, ela precisa traduzir a personalidade e o lifestyle da pessoa.

Dessa forma, o maximalismo sempre busca objetos com valor emocional, que contenham histórias e memórias.

O resultado disso são ambientes únicos, impossíveis de serem totalmente reproduzidos ou copiados.

Preenchimento de espaços

Diferentemente do minimalismo, que preza pelo essencial, o maximalismo valoriza o excesso. Portanto, em vez de criar espaços vazios, busca preenchê-los.

É por isso que em projetos maximalistas são comuns os ambientes recheados de móveis, com paredes cheias de quadros e outros objetos.

maximalismo no lavabo
Cada cantinho da casa, como o lavabo, pode ser transformado sob o olhar do maximalismo (Projeto: Portobello Shop Niterói)

Design teatral

O design teatral do ambiente é mais uma característica do maximalismo e, ao mesmo tempo, uma tendência.

Mas o que isso quer dizer?

O termo “design teatral” se refere à decoração que pode ser facilmente alterada por soluções temporárias, como tintas, cortinas, estofados, tapetes etc.

Assim, permite às pessoas alterar o décor sempre que quiserem, de forma simples.

E, claro, atende à vontade cada vez mais comum de adicionar toques artísticos e pessoais aos diversos cantos da casa.

Como aplicar o maximalismo na decoração?

Cozinha ampla em estilo neoclássico com muitos detalhes requintados
A riqueza dos detalhes torna os ambientes maximalistas acolhedores (Projeto: Leila Bonjardim Santos)

Quer trazer as características da decoração minimalista para dentro de casa? Confira, a seguir, algumas dicas que vão ajudar você a deixar os ambientes com a sua cara.

Decore com as cores

Por ser livre, a decoração maximalista não se restringe a uma única paleta de cores. Você pode — e deve — explorar paletas, mas sem se esquecer da harmonia visual.

Uma dica é começar escolhendo a cor do piso e das paredes, com base nas suas preferências.

Pisos e paredes neutros facilitam na hora de criar composições com objetos coloridos. Por outro lado, os marmorizados com texturas vibrantes são uma ótima opção para decorar.

Já as cores chamativas geram maior impacto. Se for o caso, você pode equilibrá-las com mobiliário em tonalidades frias.

Outra possibilidade é contar com móveis em cores vibrantes e variadas, que dialoguem com os tons presentes nos demais detalhes.

Expresse quem você é

No maximalismo não existe apego a determinados estilos ou tendências.

Graças a isso, a combinação de elementos se torna possível. E é justamente a mistura que tem o poder de contar as histórias das pessoas.

Portanto, uma das suas principais preocupações na hora de montar um ambiente maximalista deve ser expressar sua personalidade e o que mais quiser.

Olhe para os espaços da sua casa como álbuns que revelam as paixões e os momentos importantes da sua vida, além de tudo aquilo com o que você se identifica.

Escolha os objetos com carinho

Detalhe de prateleira instalada em parede com revestimento azul e branco
Cada item decorativo pode guardar sentimentos e histórias especiais (Projeto: AUBA Arquitetura / Foto: Yuri Pachini)

Esta dica está intimamente ligada à anterior. O segredo está na ligação afetiva. Para deixar os ambientes com a sua cara, faça escolhas — sobretudo de objetos — com calma e apreço.

Não tenha receio de ousar e abusar da variedade de materiais, cores, formas e texturas. Com equilíbrio, o exagero não fica com aspecto “brega”.

Outro ponto importante é entender que as composições podem ser criadas aos poucos. Você não precisa concluir seu projeto de uma vez.

A decoração maximalista pode seguir um fluxo orgânico de construção, ganhando novas camadas gradativamente.

Preencha as paredes

Sala ampla com móveis coloridos e parede de quadros
Transforme as paredes em verdadeiros murais artísticos e de registro de momentos marcantes (Projeto: Ângela Villar Nogueira Paes Cambraia / Foto: Edgard César)

Nos projetos de decoração, nem sempre as paredes recebem elementos decorativos.

Mas, no maximalismo, as superfícies verticais podem ser bem aproveitadas com quadros e fotografias com molduras de diferentes estilos, além de outros objetos que possam ser pendurados.

Por serem compostos aos poucos, você não precisa se preocupar em alinhá-los de modo tradicional. Explore a criatividade de acordo com as formas dos itens escolhidos.

Esteja aberto ao novo

Como o maximalismo não tem uma receita pronta, o projeto não precisa ser finalizado. Isso quer dizer que não sobra lugar para a monotonia.

A decoração dos ambientes pode acompanhar o fluxo da vida. Se você é uma pessoa aberta ao novo, o visual da sua casa nunca será estático.

Se determinado objeto representa uma lembrança que deixou de ser boa, abra espaço para uma memória nova.

Da mesma forma, se você ganhou um presente de alguém especial e deseja destacá-lo, nada impede de mexer em outras peças.

Ao ir na contramão de estilos bem definidos, o maximalismo acompanha o caminhar da vida. É isso que o torna tão singular. 

Coloque as nossas dicas em prática e aproveite as características da decoração maximalista para deixar a sua casa ainda mais aconchegante e personalizada!

Já ouviu falar em Slow Architecture? Conheça o conceito por trás de construções mais graduais e orgânicas!

Compartilhe
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
VOLTAR
ESC PARA FECHAR
Minha avaliação desse conteúdo é
0 de 5
 

Maximalismo: liberdade e autenticidade na dec...

Maximalismo: liberdade e autenticidade na decoração dos ambientes

  Sem votos
minutos de leitura
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2023- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies