27.10.2023
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
Avaliar
estradas estrucas floresta
Alexandre Disaro percorre trecho da estrada etrusca Via Cava di San Rocco, num cenário encantador no sul da Toscana (foto: Alexandre Disaro)

As estradas etruscas no sul da Toscana

 minutos de leitura
calendar-blank-line
27.10.2023
O fotógrafo Alexandre Disaro nos leva a uma viagem pela Toscana, na Itália, revelando as surpreendentes estradas milenares escavadas em rochas pelos povos etruscos
minutos de leitura

Ao pensar na Toscana, na Itália, geralmente nos vem à mente Florença, Pisa, o Renascimento, ciprestes enfileirados, vinícolas e burgos medievais em topos de colinas. Mas você sabia que antes dos romanos a Toscana foi habitada pelo povo etrusco? Já ouviu falar das estradas escavadas diretamente na rocha por eles? Essas estruturas misteriosas intrigam pesquisadores até hoje.

Para ouvir o artigo completo, clique no play abaixo:

Viaje com Alexandre Disaro:
-
Wadi Rum: um dos desertos mais bonitos do mundo
- A presença muçulmana na Espanha e a Reconquista
- Os vilarejos brancos da Andaluzia

Essa rede fascinante de percursos a céu aberto compõem uma obra única no mundo, um patrimônio de enorme importância histórica e cultural, ainda envolto em muitas dúvidas e especulações. Continue lendo a coluna para saber quem foram os etruscos, o que são e para que serviam essas estradas, quais as mais bonitas e como visitá-las.

Estou certo que incluí-las na sua visita à Toscana será uma bela surpresa.

Turismo na Itália além do óbvio

estrada coberta de limo e escavada, estradas estrucos
A rede de estradas etruscas, na região toscana da Maremma, ainda é pouco conhecida pelos turistas (foto: Alexandre Disaro)

Buscando sugestões de lugares e aspectos culturais regionais ao planejar uma visita à Toscana, me deparei com uma foto no mesmo lugar que ilustra a capa desta coluna: uma estrada coberta de limo e escavada diretamente na rocha. Fiquei impressionado e imaginei ser uma obra romana. Porém, descobri que, na realidade, era um trecho de uma estrada etrusca que se integrava a uma rede de outros caminhos.

Essa feliz surpresa despertou uma nova percepção ao pensar numa viagem à Itália. Ao acessar a história do país, tendemos a dar mais peso ao passado greco-romano como ponto de referência temporal, e acabamos partimos desse ponto para pensar uma viagem. Afinal, um dos maiores trunfos romanos foi a assimilação de culturas conquistadas à sua, criando um verdadeiro amálgama cultural cosmopolita para a época. 

Contudo, e se pudéssemos conhecer alguns fragmentos dessas culturas mais antigas antes de serem absorvidas pelos romanos? Considerar o legado desses povos itálicos, que antecederam os romanos, passou a ser um dos assuntos de interesse a nortear futuras viagens. Espero que essa descoberta desperte uma percepção semelhante em você.

Mapa com povos que ocuparam a Itália
Mapa ilustrando os diferentes povos itálicos antes dos romanos conquistarem a península (foto: Alexandre Disaro)

Mas afinal, quem foram os etruscos? Você já ouviu falar deles?

Quem foram os povos etruscos?

Os etruscos foram um dos diversos povos que habitaram a península itálica a partir do século 9 a.C., numa área que vai do sul do rio Arno ao norte do Tibre, a Etrúria. Essa área hoje corresponde à atual região da Toscana e partes das províncias vizinhas do Lácio e da Úmbria. Posteriormente, sua zona de influência se estendeu até partes da Campânia, ao sul, Emilia-Romanha, Vêneto e Lombardia, ao norte.

Vasos etruscos
Elaborados vasos etruscos datados do século VII a.C., expostos nos Museus do Vaticano (foto: Alexandre Disaro)

Os etruscos se organizavam em cidades-Estado civilizadas e compuseram a primeira sociedade eminentemente urbana da Península. Eram chamados pelos gregos de tyrrhenoi, gentílico que, futuramente, deu origem ao termo Tirreno, usado para nomear o mar que banha parte da costa oeste da Itália. Já em latim os etruscos eram chamados de tusci ou etrusci. Essa designação deu origem ao termo Tuscia que evoluiu com o tempo para Toscana. O nome Toscana significa terra dos etruscos.

Viaje com Alexandre Disaro:

Como civilização, estabeleceram uma ativa rede de comércio no Mediterrâneo que lhes permitiu florescimento militar, social, cultural e artístico. Exerceram grande influência sobre os romanos e deram à Roma seus últimos três reis. Entretanto, no contínuo movimento do xadrez do poder entre os povos, o território etrusco progressivamente foi absorvido pelos celtas, gregos, samnitas e, ultimamente, pelos romanos, que consolidaram sua hegemonia.

A influência etrusca na cultura romana pode ser identificada na arquitetura, em rituais, na importação de aspectos culturais gregos, no cultivo de oliveiras e vinhas e no desenvolvimento do alfabeto latino, com base nos alfabetos grego e fenício.

Braceletes etruscos
Braceletes etruscos em ouro, datados do século VII a.C. Em exposição nos Museus do Vaticano (foto: Alexandre Disaro)

Imagina o que um povo incrível desses desenvolveu!? No sul da Toscana há um verdadeiro tesouro etrusco a céu aberto que muitos desconhecem. Uma rede de estradas etruscas, vie cave em italiano, escavadas diretamente na rocha de tufo, que conectam cidades, necrópoles e sítios arqueológicos.

As estradas escavadas etruscas

Camadas de história se sobrepõem e várias estradas romanas acabaram cruzando e, até mesmo, cobrindo vias etruscas. Ainda assim, no sul da Toscana encontramos uma série desses caminhos que resistiram ao tempo. As estradas escavadas (vie cave) entre as cidades de Pitigliano, Sovana, Sorano e San Quirico são percursos íngremes e escavados na rocha tufácea que ligavam povoados, paisagens cultivadas na serra e necrópoles, e serviam para canalizar e transportar a água da chuva dos planaltos para os vales e também como passagens estratégicas contra inimigos.

estradas etruscas foram esculpidas em rochas
Um dos trechos mais impressionantes da Via Cava di San Rocco. Importante lembrar que tudo que vemos nesta foto, um dia, já foi uma massa inteiriça de rocha e que esse caminho, escavado diretamente no tufo, antecede a presença romana (foto: Alexandre Disaro)

Há dezenas de trechos e de dimensões variadas dessas estradas. Há recortes em rochas com largura entre dois a quatro metros e altura que pode alcançar vinte e cinco metros. É impressionante! O passar dos séculos fez as árvores criarem uma cobertura vegetal entre os altos muros de pedra e possibilitou a formação de um microclima que favorece o crescimento de vegetação de ambientes úmidos e sombreados como musgos, líquenes, heras e cipós.

As curvas, o silêncio e o baixo número de turistas proporcionam um misterioso caminho pela história
Impressiona observar de perto as marcas deixadas pelos instrumentos usados ao escavar e trabalhar o caminho (foto: Alexandre Disaro)

A utilização destes caminhos seguiu até tempos recentes e hoje eles continuam sendo percorridos por visitantes. As curvas, o silêncio e o baixo número de turistas nos faz imaginar que logo mais encontraremos alguém daqueles tempos cruzando o nosso caminho. Uma caminhada fascinante e cheia de história.

Os trechos mais bonitos

Existem diversos caminhos entre as cidades de Pitigliano, Sovana, Sorano e San Quirico e os mais conhecidos por sua beleza são: Cavone, Via Cava di San Sebastiano, Via Cava di San Rocco e Via Cava dei Fratenuti.

Durante o percurso, há também estruturas escavadas na pedra que possivelmente foram moradas ou pontos de apoio, além de tumbas e esculturas. Dentro, as escavação contemplam belos acabamentos com marcas dos instrumentos de trabalho criando uma linda textura, traçados que criaram paredes retas e diversos nichos que parecem prateleiras.

Tive a oportunidade de percorrer a Via Cava di San Rocco e foi uma ótima escolha. Teve de tudo um pouco: trajeto bonito e acidentado, vegetação úmida por todo o percurso, estruturas trogloditas, esculturas e uma vista panorâmica de Sorano.

Seguramente, se tivesse tido mais tempo na Toscana, teria percorrido também os outros caminhos.

casas trogloditas: moradas esculpidas nas rochas
Ao longo das estradas etruscas é possível encontrar também estruturas trogloditas: estabelecimentos cavados diretamente nas rochas. Encontramos tumbas, altares, postos de vigilância e até mesmo casas (foto: Alexandre Disaro)

Percorrendo os caminhos

A melhor opção para se locomover pela região é alugar um carro. Não há estações de trem entre as pequenas cidades, nem fácil acesso às estradas escavadas.

O carro é necessário para chegar nas cidades de apoio e também nos caminhos em si. Uma das entradas para a Via Cava di San Rocco, o caminho que percorri, fica no meio de uma rodovia. Muitos outros caminhos também têm o mesmo tipo de acesso.

Sorano é uma cidade na Toscana que pode servir como base para quem quiser explorar as estradas etruscas (foto: Alexandre Disaro)
A pequena Sorano vista de um dos pontos da Via Cava di San Rocco. A cidade pode servir como base para quem quiser explorar as estradas etruscas da região (foto: Alexandre Disaro)

Para quem quiser percorrer uma ou mais dessas estradas etruscas a sugestão é se hospedar em Pitigliano ou Sorano, escolher os caminhos desejados e percorrê-los sem pressa, podendo vivenciar, inclusive, o charme das pequenas cidades.

Como há percursos sinuosos e por dentro da mata, recomendo calçados confortáveis e, de preferência, próprios para trekking. Outra consideração importante é que, por conta do clima constantemente úmido, há muito musgo e limo. Evite dias chuvosos ou dias imediatamente após chuvas. Um escorregão ladeira abaixo no meio da mata não seria a melhor das recordações.

Agroturismo e outras partes da Toscana

A maneira mais confortável de percorrer essas estradas é se hospedando em uma das duas maiores cidades da região (Pitigliano ou Sorano) e de lá planejar as caminhadas. São cidades pequenas, mas bonitas e com boa estrutura para acolher e entreter quem passa o dia todo caminhando.

Sorano é uma cidade pequena, mas com o charme da Toscana
Sorano preserva o charme das vilas toscanas com suas casas de pedra e a natureza próxima (foto: Alexandre Disaro)

Caso busque opções de hospedagens fora dessas duas cidades, a Toscana é uma ótima região para experimentar o agroturismo. É possível hospedar-se em casarões de fazenda, aprender a cozinhar comida italiana caseira, vivenciar a cultura sazonal e de alta qualidade dos insumo e conhecer de perto a produção artesanal de vinhos e azeites.

Para complementar sua estada na Toscana, há outras áreas da região que podem ser visitadas numa viagem para lá. Pertinho da região das estradas etruscas está o belíssimo Val d'Orcia, uma das partes mais belas e associadas ao imagético toscano com vinícolas, burgos medievais e colinas com ciprestes compondo uma paisagem emblemática.

Ale no Val d'Orcia, paisagem emblemática da Toscana
O Val d'Orcia é uma das regiões mais bonitas da Toscana e fica próximo à região das estradas escavadas etruscas (foto: Alexandre Disaro)

Continuando e um pouco mais ao norte: Siena e a região do Chianti. Seguindo na mesma direção, Florença. De lá e em direção ao litoral, Luca e Pisa.

E, ainda, caso queira visitar o litoral há o Arquipélago Toscano com as belas ilhas del Giglio e Elba, e a possibilidade de visitar o Parque Nacional das Cinco Terras na divisa entre Toscana e Ligúria.

Uma área compacta cheia de história, cultura, boa comida e natureza. A terra dos etruscos é surpreendente.

Compartilhe
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
VOLTAR
ESC PARA FECHAR
Minha avaliação desse conteúdo é
0 de 5
 

As estradas etruscas no sul da Toscana...

As estradas etruscas no sul da Toscana

  Sem votos
minutos de leitura
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Gratidão por detalhar com tanta riqueza este lugar incrível! Uma beleza, um tesouro e até meio mágico. 🤩😘💐👏🏼👏🏼👏🏼

  2. Quanta informação interessante! Fiquei realmente interessada em conhecer a região. Obrigada por compartilhar sua experiência e sua pesquisa de forma tão didattica e envolvente.

  3. Não conheço estes lugares encantadores , mas seu relato fomenta minha curiosidade.
    Parabéns por despertar este sentimento tão peculiar .

  4. Que matéria preciosa! Parabéns, Archtrends, por ter como um de seus colunistas o Alexandre Disaro! Que conteúdo riquíssimo, proporcionado pela vivência e pela pesquisa, e transmitido de forma tão ampla, objetiva e com um toque de poesia. Gratidão Ale, por nos dar a conhecer esse lugar encantado.

Alexandre Disaro
Colunista

Alexandre Disaro é fotógrafo de arquitetura e viagem. Gosta tanto de viajar que até...

Conhecer artigos



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2024- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies