24.03.2023
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
Avaliar
povoados brancos Andaluzia
Vista de Vejer de la Frontera, um dos povoados brancos mais charmosos da província de Cádiz. (Foto: Alexandre Disaro)

Os vilarejos brancos da Andaluzia

 minutos de leitura
calendar-blank-line
24.03.2023
O viajante profissional Ale Disaro dá dicas para criar um roteiro pelos cênicos pueblos blancos da Espanha, além de explicar a história por trás dessa arquitetura peculiar
minutos de leitura

A Andaluzia é uma das regiões mais fascinantes da Espanha. Rica em cultura, natureza e gastronomia. É a terra do flamenco, da tourada, do xerez (vinho fortificado), do cavalo andaluz, do carnaval de Cádiz, da Alhambra, da grande mesquita-catedral, da arquitetura mudéjar com forte influência islâmica. Das cidades de Sevilha, Granada, Córdoba e Málaga, dos vilarejos brancos. E, ainda, de grandes nomes como Sêneca, Maimônides, Velasquez, Picasso, Lola Flores, Paco de Lúcia e Rocío Jurado.

Certamente, uma das regiões que mais contribuem com referências culturais na construção da imagem da Espanha como país para o exterior.

vilarejos brancos da Andaluzia
Rua em Grazalema, um dos mais bonitos povoados em meio à serra. É dessa região da Serra da Grazalema que um tipo particular de cabra é usada na produção do queijo local, o queijo da cabra payoya. Quem visita Grazalema certamente prova o queso payoyo (Foto: Alexandre Disaro)

Rua em Grazalema, um dos mais bonitos povoados em meio à serra. É dessa região da Serra da Grazalema que um tipo particular de cabra é usada na produção do queijo local, o queijo da cabra payoya. Quem visita Grazalema certamente prova o queso payoyo. (Foto: Alexandre Disaro)

A lista é longa e, por isso, nesta coluna foco apenas nos vilarejos brancos, ou pueblos blancos, em espanhol. Povoados com casas brancas que abraçam montanhas, adentram vales e são até construídos debaixo de pedras, de forma semi-troglodita. Mas afinal, por que esses vilarejos são brancos? Por que visitá-los? Quais vilarejos visitar?

O que são os pueblos blancos

Calle de las sombras
Calle de las sombras, uma das ruas mais cênicas de Setenil de las Bodegas. Parte do vilarejo é composto de casas semi trogloditas, ou seja, apoiadas na estrutura pré-existente das rochas (Foto: Alexandre Disaro)

Os pueblos blancos, ou vilarejos brancos, em português, são pequenas cidades espalhadas por diversas províncias da Andaluzia e são uma marca identitária por si só.

A cor branca vem do revestimento das fachadas com cal. Em espanhol, existe até o verbo encalar para se referir ao ato de cobrir de cal, e, consequentemente, os adjetivos encalada e encalado. A origem dos vilarejos inteiramente brancos como vemos hoje é imprecisa, porém a soma de diversos eventos com o decorrer da história é aceita como construção dessa uniformidade visual.

alácios de Arcos de la Frontera
Vista de dentro de um dos palácios de Arcos de la Frontera, tido como a porta-de-entrada para a rota dos pueblos blancos (Foto: Alexandre Disaro)

Uma das origens remete à época do Império Romano na Península Ibérica, quando a pintura com cal foi introduzida. Outros acontecimentos históricos importantes foram as sucessivas ondas de epidemias de peste, febre amarela e febre tifóide entre os séculos 14 e 19, que introduziram também a cobertura no interior das casas e igrejas de forma mais incisiva e de ampla adoção – o cal contém propriedades antissépticas e antibacterianas e acreditava-se que, ao pintar com cal, diminuiria-se o contágio.

Veja também:

Ainda, apesar da arquitetura local incorporar algumas cores, principalmente nos batentes de portas e janelas, com o passar dos séculos se consolidou o uso do branco, que confere um maior conforto térmico para os tórridos dias de verão.

O turismo é o fator mais atual e que também demanda pela continuidade na manutenção dos vilarejos nessa estética.

Fato é que essa equação criou a padronização dos vilarejos como conhecemos hoje e uma das identidades visuais do interior da Andaluzia.

Por que visitar os vilarejos brancos

Arcos em Vejer de la Frontera
Arcos em Vejer de la Frontera com parte da cidade ao fundo (Foto: Alexandre Disaro)

Muitos povoados são cênicos. Não faltam locais para boas fotos e boa comida.

Além de relaxar, é possível entrar em contato com uma parte importante da história da Espanha. De 711 a 1492, os muçulmanos estiveram presentes na Península Ibérica e a Andaluzia foi a região onde eles permaneceram por mais tempo. A Reconquista, termo histórico que se refere às sucessivas conquistas católicas sob os muçulmanos, que culminou com a queda de Granada em 1492, passou por esta região. Há muitos resquícios que contam essa história. Ruínas de antigos palácios nazaries, arquitetura andaluz, mesquitas que foram destruídas e em cima se ergueram igrejas, medinas que mantiveram seu urbanismo, restos de muralhas que cercavam a cidadela e alcazares (fortalezas) nas partes mais altas dos vilarejos. Uma oportunidade de conferir de perto esse legado arquitetônico e cultural.

Calle Jabonería
Calle Jabonería, outra rua de Setenil de las Bodegas. Aqui se nota bem as casas construídas diretamente na encosta das rochas. Por dentro das casas a pedra fica amostra e se integra à arquitetura do interior (Foto: Alexandre Disaro)

Esse passeio pode e deve ser feito com algumas outras cidades maiores como base: Sevilha, Córdoba, Ronda e Granada. Excelentes sugestões que se complementam perfeitamente e dão ainda mais corpo à viagem.

Nos vilarejos, é possível se hospedar em pousadas de charme, comer e beber produtos locais e sazonais, fazer trilhas pelas imediações e visitar monumentos históricos.

Passear pelos pueblos blancos é uma maneira muito gostosa de vivenciar a Andaluzia.

Ah, e prepare-se! O sotaque gaditano (da província de Cádiz) é desafiador para entender!

Quais vilarejos brancos visitar?

Zahara de la Sierra em Andaluzia
Vista de Zahara de la Sierra, povoado incrustado na montanha. No topo se encontra a antiga cidadela árabe. O ponto mais alto ainda conserva a torre do alcazar (fortaleza) / (Foto: Alexandre Disaro)

Apesar de existir uma rota sugerida com 19 vilarejos, há muitos outros por toda a região. A ruta de los pueblos blancos é o percurso mais percorrido. Essa rota é uma das mais bonitas da Andaluzia e passa por vilarejos de serra compondo uma paisagem linda, principalmente pela belíssima Serra de Grazalema.

Por curiosidade, os 19 vilarejos são: Arcos de la Frontera, Bornos, Espera, Villamartín, Algodonales, El Gastor, Olvera, Torre-Alháquime, Setenil de las Bodegas, Alcalá del Valle, Prado del Rey, El Bosque, Ubrique, Benaocaz, Villaluenga del Rosario, Grazalema, Benamahoma, Zahara de la Sierra e Algar.

Estive em cinco dos mais cênicos (Arcos de la Frontera, Setenil de las Bodegas, Olvera, Grazalema e Zahara de la Sierra), incrementei com outros vilarejos, cidades e parques pelos entornos.

Grazalema
Vista panorâmica de Grazalema abraçada pelas montanhas da serra. A estrada até lá é seguramente a mais cênica da rota (Foto: Alexandre Disaro)

Sendo assim, escolher bem os pueblos a serem visitados é fundamental para um bom proveito. Minha sugestão é selecionar os mais cênicos, levar em conta os dias disponíveis para ficar na região e as cidades onde se pega e devolve o carro. Tendo isso em mente fica fácil traçar um roteiro personalizado.

Importante mencionar que a estética se mantém parecida e os vilarejos são pequenos. É possível visitar de um a dois vilarejos próximos por dia. Se dedicar muito tempo a esse roteiro o passeio pode ficar repetitivo. Sugiro algo em torno de três a oito dias bem selecionados e dinâmicos.

Compartilhe
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
VOLTAR
FECHAR
Minha avaliação desse conteúdo é
0 de 5
 

Os vilarejos brancos da Andaluzia...

Os vilarejos brancos da Andaluzia

  Sem votos
minutos de leitura
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Que surreal ver estas casas trogloditas, é além do imaginário!
    Obrigada por compartilhar Alexandre! Você é TOP!

    1. Obrigado pelo carinho Luiza. Incrível, né? Ficamos impressionados em encontrar esse tipo de casa também na Espanha. Ainda mais vindo do sul da Tunísia e tendo visto esse tipo de casa por lá.

  2. Passear pelo olhar do Alexandre é um privilégio. Ele percebe as nuancias de cada lugar , nos transportando assim para dentro da viagem .

  3. É ótimo ter alguém da nossa cultura como guia. Faz repensar roteiros fora dos pacotes padrões, ter ideia de tempo para conhecer, explorar sem enjoar do mais do mesmo. Dicas são muito bem vindas. Com certeza todo aprendizado faz com que abramos a mente e o coração para futuras oportunidades de viagens, e o show em arquitetura, técnicas, projetos, plantas, ornamentos, tradições de culturas numa mistura com o contemporâneo, ou não. Parabéns Alexandre por conseguir transcrever tantos olhares e experiências maravilhosas! Agradecida por mais um artigo show Archtrends.

  4. Ĺer os artigos de Alexandre Disaro é se envolver a cada frase, é se encantar a cada foto, é se enriquecer a cada informação. Um cabedal de conteúdo incrível! Parabéns Archtrends por ter Alexandre Disaro em seu time!



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2024- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies