26.03.2024
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
Avaliar
vegetação e arquitetura
Essencial para a vida humana, a vegetação deve ser pensada como parte integrante das cidades e, portanto, da arquitetura (Projeto: Arquitetare por Elaine Zanon e Claudia Machado/Foto: Eduardo Macarios)

Vegetação e arquitetura: combinação essencial para o conforto térmico

 minutos de leitura
calendar-blank-line
26.03.2024
Para mais qualidade de vida, é essencial ter contato com a natureza. Veja qual a importância de unir arquitetura e vegetação para projetos melhores!
minutos de leitura

As cidades se desenvolveram, as construções ficaram cada vez mais altas para receber mais pessoas, nos grandes centros urbanos já não há mais espaços para casas. Contudo, a sensação de calor, de poluição, de abafamento também surgiu. Foram anos pensando no concreto como sinônimo de desenvolvimento quando vegetação e arquitetura deveriam ser intrínsecas.   

Neste texto, você vai ver como casas, prédios, parques e a sociedade no geral ganham quando a arquitetura se torna mais verde. Confira!     

vegetação em joão pessoa
João Pessoa é uma das cidades mais verdes do Brasil  (Foto: Thiago Japyassu/Pexels)

Vegetação não é decoração

Aqui no Archtrends, sempre falamos da importância do uso de plantas dentro e fora de casa. Além de trazer mais cor para o ambiente, elas melhoram a qualidade do ar, trazem conforto térmico e, para quem acredita, também melhoram a energia do lar

Contudo, a vegetação vai além disso; ela não é um elemento coadjuvante da decoração da sua casa, e sim um ecossistema organizado em si mesmo.  

A vegetação foi negligenciada por uma sociedade que enxerga o concreto e o asfalto como símbolos do desenvolvimento da civilização. Hoje, colhemos os frutos estragados por esse comportamento predatório.  

A industrialização e o desmatamento desenfreados trouxeram malefícios ao planeta que, segundo os prognósticos, podem acarretar problemas sérios e irrecuperáveis. 

O último relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM), publicado em 30 de novembro, mostrou que, até outubro de 2023, a temperatura média da superfície global ficou 1,4°C acima da média aferida entre 1850 e 1900. 

Por isso, 2023 foi considerado o ano mais quente em 174 anos de medições meteorológicas.  

Leia também: 

vegetação em brasília
Paineira Rosa em Brasília. Na época de sua construção, praticamente 90% da sua vegetação foi retirada  (Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília/Flickr)  

Árvore, o ar-condicionado natural

Em espaços com mais vegetação, o clima tende a ser de 2,5 a 3ºC mais baixo do que em lugares diretamente expostos ao sol. Isso não acontece por conta da sombra, e sim pelo aumento da umidade relativa do ar. 

É o processo de evapotranspiração, ou seja, a evaporação da água do solo mais a transpiração das plantas que, juntas, deixam o ambiente mais fresco e o ar mais limpo.  

Uma árvore de 10 metros pode "bombear" mais de 300 litros de água por dia para o ar. Além do líquido presente nas folhas, ela envia aquele presente no solo e captado por suas raízes.  

Quando vegetação e arquitetura estão aliadas — com o plantio de árvores ao redor da construção, por exemplo —, a plantação filtra o excesso de luz gerada pelo sol, proporcionando menos calor. Além disso, as árvores permitem que o solo absorva melhor a água da chuva de verão.  

O conforto térmico, porém, não acontece só nas estações quentes. Quem mora em locais frios também se beneficia da união entre vegetação e arquitetura. 

vegetação e arquitetura
Ao planejar uma estrutura, é fundamental que o arquiteto considere e preserve a vegetação local (Projeto: Arquitetare por Elaine Zanon e Claudia Machado/Foto: Bia Nauiack)

As árvores caducifólias (cujas folhas caem) são adaptáveis às mudanças de estação. No inverno, os galhos nus permitem que os raios solares atinjam o solo, deixando-o mais aquecido. As folhas voltam a crescer na primavera, equilibrando a temperatura local.  

Outra vantagem é que a vegetação cria uma espécie de barreira natural para o calor, que os materiais de construção costumam perder com facilidade para o meio. Assim, com as árvores atuando como isolantes térmicos, o espaço fica mais aquecido.  

Barreira acústica  

A árvore também atua como barreira acústica, ajudando a diminuir a poluição sonora. O fenômeno, chamado atenuação sonora, acontece quando a árvore "amortece" o ruído, já que ela "reflete" o som em vez de absorvê-lo. Ao passar por folhas, galhos e arbustos, o som se curva.    

vegetação em singapura, na marina bay sands
Marina Bay Sands é um resort localizado em Singapura que se tornou um marco na cidade-Estado (Foto: PxHere)

  

O exemplo de Singapura

Há anos, Singapura vem conscientemente unindo arquitetura e vegetação. Seus projetos arquitetônicos são pensados como uma parceria entre essas duas vertentes, não como plantas atuando apenas como ornamentação em pequenos pontos.  

Um exemplo clássico está no Marina Bay Sands, resort de luxo inaugurado em 2010. Além de contar com o maior cassino do mundo, um hotel com mais de 2.500 quartos, um museu, um shopping, teatro e restaurantes, toda a sua estrutura conta com farta vegetação.  

Gardens by the Bay 

vegetação e arquitetura
A visão de Gardens by the Bay pelo Marina Bay Sands  (Foto: Zairon/Wikimedia Commons)  

O Gardens by the Bay (ou Jardins da Baía) funciona como o "jardim" do Marina Sands. Porém, ele é uma estratégia do governo de Singapura de transformar o título de "cidade-jardim" em "cidade no jardim".   

Inaugurado em 2012, o parque é formado por três jardins próximos ao Rio Singapura: o Bay South Garden, o Bay East Garden e o Bay Central Garden. 

Suas estruturas mais icônicas são as Supertrees — 18 estruturas em formato de árvores gigantescas (chegam a 50 m) que são envolvidas por um jardim vertical e contam com painéis solares na parte superior.  

vegetação urbana
É fundamental ter a noção do espaço e do tamanho que a árvore ocupará para que não haja problemas com a fiação elétrica  (Foto: Feeling_night/PxHere)  

Desvantagens da vegetação urbana

Apesar de a junção de vegetação e arquitetura proporcionar inúmeras vantagens — principalmente com relação ao planeta —, ela também tem seus contras, como a sujeira das folhas e o perigo de enganchar na fiação elétrica.  

Para evitar esses problemas, existe o planejamento urbano. Por exemplo, prefeituras de grandes centros urbanos, como Rio de Janeiro, João Pessoa, São Paulo e Porto Alegre, contam um Plano de Arborização Municipal elaborado por corpo técnico especializado. 

O documento conta com informações sobre manejo e preservação da arborização, além de recomendações de vegetação adequada ao solo urbano.  

Algumas recomendações para vegetação e arquitetura urbana:    

  • É preciso ter cuidado com plantas com copa muito volumosa e galhos grandes, que possam enganchar na fiação elétrica;  
  • Raízes mais profundas não danificam as calçadas  
  • Cada planta precisa ter uma área permeável ao redor, que garanta o desenvolvimento das raízes e a correta infiltração de água;  
  • Árvores de crescimento muito rápido não são recomendadas, pois costumam ter caule mais frágil;  
  • Plantas com espinhos ou propriedades tóxicas devem ser evitadas;  
  • Árvores próximas a vias não devem ter frutos muito grandes.  

Árvores recomendadas para vegetação urbana  

Sua planta não precisa estar dentro de casa para fazer parte do conjunto arquitetônico. A união de vegetação e construção deve vir do pensamento coletivo — de como aquela árvore pode trazer mais cor, frescor e alegria à comunidade.  

Na hora de escolher a espécie, é preciso considerar o bioma local, o espaço disponível e o potencial de crescimento da árvore e de suas raízes. Veja algumas espécies adequadas às áreas urbanas:  

Ipê | Tabebuia sp

ipê
Ipê-roxo no Parque Cerert, em São Paulo  (Foto: Mauro Halpern/Flickr)  

O ipê é um gênero de árvores de grande porte, com altura comercial de 13,80m (embora algumas espécies possam chegar a 35 m). A maior parte delas é de origem brasileira. Sua floração exuberante aparece quando a árvore está caduca. Atualmente, o pau-brasil é a árvore nacional e o ipê é a flor do país.  

A árvore é dura, densa, forte, difícil de serrar. Consegue se desenvolver mesmo em condições desfavoráveis, pois é resistente a parasitas e à umidade.  

Jasmim-manga | Plumeria rubra

jasmim-manga
A jasmim-manga deixa as ruas mais perfumadas  (Foto: PxHere)  

Também conhecida como frangipani, a árvore de jasmim-manga dá origem a uma flor branca que exala seu perfume a distância — nos locais onde há árvores do tipo, é bem comum sentir o perfume durante uma caminhada.  

Ideal para locais quentes e que recebem bastante luz solar, a jasmim-manga pode ter entre quatro e oito metros de altura. Suas folhas robustas e flores caem no outono-inverno.  

Só é preciso ter cuidado com a seiva presente em seu caule e ramos, que é tóxica quando ingerida, principalmente para cães.  

Jabuticabeira | Eugenia cauliflora

jabuticabeira
A jabuticaba cresce no caule da árvore (Foto: Needpix)  

A jabuticabeira deixa qualquer rua mais bonita. Sua altura costuma ficar entre 10 e 15 metros. Seu fruto doce e flores brancas nascem no caule e nos ramos. 

A temporada de crescimento da frutinha começa em setembro, enquanto suas flores surgem duas vezes ao ano.  

A árvore da jabuticaba pode ser cultivada tanto nos jardins de casas quanto em calçadas.    

Pau-fava | Senna macranthera

pau-fava
As flores do pau-fava crescem em cachos, como pequenos buquês  (Foto: Mauro Halpern)  

De pequeno a médio porte, a pau-fava mede entre seis a oito metros de altura. Sua floração amarelada e vívida rouba a atenção em qualquer lugar. Sua inflorescência ocorre em panículas (pequenos cachos juntos), que surgem do verão ao outono.  

Por ser de porte médio, a pau-fava pode ser usada em jardins, praças e até abaixo da fiação elétrica.

Em áreas afastadas

vegetação e arquitetura
Regiões afastadas das grandes cidades conseguem preservar a vegetação com mais facilidade (Projeto: Liga Arquitetura e Urbanismo/Foto: Luiza Ananias)

As grandes cidades, como foram construídas, alienaram o cidadão da natureza, afetando até mesmo seu conhecimento sobre o comportamento das chuvas, o crescimento das plantas ou as variações de temperatura. 

O crescimento de prédios e a poluição atrapalharam até mesmo a observação do céu e dos ciclos da lua.

Em cidades mais afastadas, como as zonas rurais ou o interior, em que a urbanização não foi tão feroz, é possível não apenas contemplar, mas interagir com a natureza de maneira mais saudável e cotidiana. 

As casas mais simples contam com um layout capaz de aproveitar a circulação de ar. O cobogó, comum no interior nordestino, permite que o vento entre com mais facilidade no jardim da residência.

Aproveitando essa brecha, construtoras começaram a investir em cidades mais afastadas, criando construções luxuosas que funcionam como "refúgios paradisíacos" do caos da cidade. 

Assim como as construções coreanas, elas contam com a tecnologia para manter um padrão de vida já conhecido e, ao mesmo tempo, que interage com a natureza sem afetá-la negativamente. 

Como visto, a vegetação é uma aliada da arquitetura e deve ser pensada em conjunto com ela. E para continuar pensando na natureza como uma parte integrante das cidades, veja o que são recursos renováveis e como utilizá-los nas construções. 

Compartilhe
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
VOLTAR
ESC PARA FECHAR
Minha avaliação desse conteúdo é
0 de 5
 

Vegetação e arquitetura: combinação essen...

Vegetação e arquitetura: combinação essencial para o conforto térmico

  Sem votos
minutos de leitura
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archtrends Portobello
Colunista

O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura...

Conhecer artigos



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2024- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies