07.05.2018
Avaliação
()
0

Conheça a história por trás da beleza do Copacabana Palace

minutos de leitura
Este texto faz parte da nossa série de artigos sobre projetos arquitetônicos brasileiros. Trouxemos aqui um dos cartões-postais da cidade do Rio de Janeiro: o Copacabana Palace. Conheça tudo sobre ele e entenda os impactos que sua construção teve na vida não apenas dos cariocas, mas de todo o mundo!
minutos de leitura

O Copacabana Palace é um símbolo para a cidade do Rio de Janeiro. Seja por sua arquitetura emblemática, pela bagagem cultural que carrega consigo ou pelo luxo e grandiosidade que envolvem a construção, não tem como se esquecer desse ícone ao passear ao longo dos calçadões da Cidade Maravilhosa.

Existe uma história muito curiosa e importante para o país por trás da fachada que ultrapassa séculos e se integra aos edifícios modernos que vieram depois. Você sabia, por exemplo, que um dos salões do hotel é considerado a primeira casa de espetáculos de toda a América Latina?

Veja só o que preparamos no texto a seguir!

A construção do Copacabana Palace

A edificação foi liderada pelo empresário Octávio Guinle, além de Francisco Castro Silva. Na época, o presidente Epitácio Pessoa tinha um projeto ambicioso para a cidade: queria erguer um grande número de hotéis, que praticamente não existiam, para que o Rio de Janeiro tivesse estrutura capaz de suportar turistas de todo o mundo.

O Copacabana Palace impressiona e molda a paisagem desde a inauguração, em 1923

Para isso, ele concedeu uma série de benefícios que envolviam a isenção de impostos para quem movimentasse o setor. O Copacabana Palace foi um desses empreendimentos, porém, se destacou: o presidente solicitou pessoalmente que a construção ficasse pronta a tempo das comemorações do Centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922.

A execução do hotel mais famoso do Rio teve assinatura de um francês e de um brasileiro

Guinle, membro da família considerada a mais rica do Brasil, já tinha experiência no mundo de negócios, e a afinidade com arquitetura e arte aumentou o interesse do magnata. Sua única condição era que o hotel abrigasse um cassino em suas instalações. O presidente aceitou a proposta e, assim, teve início a história do Copacabana Palace.

A execução do projeto foi assinada pelo famoso arquiteto francês Joseph Gire e teve a participação do engenheiro brasileiro César Melo e Cunha. Os anos se passaram e chegou a hora da festividade que envolvia o Centenário. Para a surpresa de todos, a grande promessa da época não estava nem perto de ficar pronta.

As justificativas foram os atrasos na entrega de revestimentos e materiais estrangeiros e o difícil transporte dos suprimentos, entre outros aspectos técnicos — como a proximidade do hotel com o mar aberto, que fazia com que ele fosse extremamente vulnerável ao estrago das ressacas constantes na orla da cidade.

O hotel foi inaugurado em 1923 com uma festa esplêndida que reuniu figuras reconhecidas em todo o mundo.

A arquitetura que fez do Palace um cartão-postal

Praticamente toda a mão de obra do hotel foi importada e até os operários contratados eram estrangeiros. Joseph Gire, que era francês, soube adaptar a arquitetura de Nice, Cannes e da Riviera Francesa para o calçadão de Copacabana.

Arquitetura clássica e mediterrânea se encontram no projeto do Copacabana Palace

Os principais materiais usados na construção e na decoração foram:

  • cimento da Alemanha;
  • cristais da Boêmia;
  • lustres e toda a vidraçaria da Checoslováquia;
  • mármore da Itália;
  • móveis da França.

Sabendo que a principal inspiração de Gire foi a Riviera, é fácil entender que o Copacabana Palace é de fato muito luxuoso. Seus traços misturam a arquitetura clássica com um toque do mediterrâneo, e ainda reproduzem perfeitamente os palácios e grandes construções europeias.

O interior é repleto de lustres e cortinas imponentes, e quem entra no Copa, apelido carinhoso que o hotel ganhou, vai se sentir um membro da realeza.

Veja as principais características da decoração interna:

  • antiguidades e objetos preciosos que marcaram o início do século XX;
  • nos quartos, as tonalidades seguem um padrão mais claro, deixando a decoração se encarregar do contraste;
  • janelas grandes que vão até o topo do pé-direito em estilo clássico;
  • paredes cobertas com madeira, principalmente nos salões principais;
  • uso de revestimentos caros como o mármore e o cristal, em especial nos banheiros.
Luxo e imponência se encontram na decoração do hotel

A “quase demolição” do hotel

Sabia que existiam muitas chances de o Copacabana Palace não existir atualmente? É verdade!

Depois do término da Segunda Guerra Mundial, o presidente Eurico Gaspar Dutra decretou que jogos de azar seriam proibidos no Brasil. A interdição do cassino enfraqueceu a movimentação no hotel, que começou a decair aos poucos.

Tudo se complicou nos anos 60, quando a capital foi transferida para Brasília e o Rio de Janeiro começou a abrigar empreendimentos mais modernos no setor da hotelaria. Isso fez com que todo o glamour do Copa diminuísse, levando-o a passar por um período de decadência.

Em 1985, então, foi cogitada a sua demolição. O fato quase ocorreu, mas foi impedido pelo governo. A “salvação” do hotel foi sua consagração como patrimônio histórico federal, estadual e municipal.

Após um período não muito positivo, novos tempos chegaram. A Belmond, que na época se chamava Orient-Express Hotels, realizou a aquisição do Copacabana Palace em 1989. A partir daí ele voltou a crescer e, hoje em dia, é uma das referências brasileiras para quem vem de fora.

Anos de ouro e o legado do Copa

A construção ultrapassou o conceito de hotel e virou um cartão-postal para a cidade do Rio de Janeiro. O bairro de Copacabana, que não era famoso e muito menos aguentava suportar a vinda de turistas, se tornou um ponto de encontro entre o Brasil e o resto do mundo. Figuras famosas se hospedam no Palace desde os anos 20, e listar todos os ícones que já passaram por ali é uma tarefa difícil.

Mais do que consolidar a região, o hotel foi responsável por acelerar a modernização e a ocupação de Copacabana. Na época quase não existiam construções ao redor, ou seja, o imponente Palace levou os olhos de empresários e grandes empreiteiras para aquela área especial no coração não só do carioca, mas também do brasileiro.

O Copa, como é carinhosamente chamado, tornou-se parte integrante e inesquecível da orla carioca

É possível dizer que o legado do Copacabana Palace, então, se encontra em cada cantinho do bairro que o batizou. A boemia, arquitetura, estilo de vida e comportamento dos moradores que ajudaram a fundar o bairro e popularizá-lo: tudo isso tem um pouquinho do Copa dentro de si.

Se você gostou do nosso relato sobre o Copacabana Palace, que tal conhecer a história da Catedral da Sé?

Compartilhe
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas
Sua avaliação

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Me deu vontade de chorar quando li que foi cogitado demoli-lo. No brasil so tem politicos c/ cabeca oca.



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2023- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies