23.02.2023
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
Avaliar
arquitetura slow arquitetura lenta
(Crédito: Archdaily)

Arquitetura slow: o valor do tempo nas construções

 minutos de leitura
calendar-blank-line
23.02.2023
O colunista André Carvalhal, especialista em sustentabilidade, faz uma reflexão sobre a importância da arquitetura considerar diversos fatores, fugindo do ritmo acelerado da era pós-industrial
minutos de leitura

O movimento slow foi uma das grandes revoluções culturais das últimas décadas. Datado de 1985, tudo começou com o movimento slow food, encabeçado por Carlo Petrini, que surgiu com a ideia de promover os alimentos locais e o preparo da comida, opondo-se à extensa industrialização e ao fast food

Para ouvir o artigo completo, clique no play abaixo:

A filosofia saiu do âmbito culinário, ampliando o seu questionamento central: mais rápido é sempre melhor? A industrialização impôs, ao longo dos anos, um ritmo acelerado de produção constante em diversos âmbitos da vida: na alimentação, no trabalho, na moda e na arquitetura. No caminho da velocidade, muito se perde – da conexão com o processo, à qualidade de cada etapa e o respeito às matérias-primas.  

>>>> Participe do concurso de arquitetura Na Revestir com Archtrends, com André Carvalhal como jurado

Nessa proposta de um novo olhar global para o que se produz, surge o movimento da arquitetura slow (ou lenta), também em meados dos anos 80. Na arquitetura, assim como na comida, o foco não está em fazer as coisas de forma lenta, mas sim em considerar a regionalidade, a sustentabilidade e a durabilidade das construções. 

arquitetura slow sustentável
(Crédito: World Architecture Community)

Para a arquiteta Anupama Kundoo, autora do ensaio Taking Time, que trata da arquitetura slow, a sustentabilidade está essencialmente ligada à ideia de tempo, já que “visa satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem as suas necessidades”. Para ela, não podemos mais nos dar ao luxo de pensar a curto prazo e para o benefício de poucos. No final, a pressa só leva a mais atrasos.

Na prática, projetar levando a arquitetura lenta como pilar significa que as construções devem respeitar o entorno, misturando-se à paisagem, respeitando o meio ambiente, aproveitando ao máximo os materiais locais e considerando a função das edificações para a comunidade à sua volta. Sendo assim, a arquitetura lenta é também altamente personalizada, já que visa atender às necessidades de cada contexto. 

Leia também:

Mas então, projetar de forma lenta significa construir apenas casas de madeira no meio da floresta? Não mesmo! A arquitetura lenta tem evoluído dentro do ambiente urbano, levando em consideração a forma como nossas cidades se organizam hoje. Um dos grandes nomes desse mercado é o Japão – o Hillside Terrace, por exemplo, edificação em Tóquio, foi construído para que as pessoas pudessem passear entre os edifícios tendo contato com o ar livre. 

arquitetura e meio ambiente
(Crédito: Go Tokyo)

Repensar a arquitetura nesse viés é projetar também para as necessidades futuras: do indivíduo que habitará o ambiente, das comunidades em seu entorno e das gerações posteriores. Os princípios fundamentais para se ter em mente na hora de aplicar a arquitetura lenta são:

Projetar para a interação com o ambiente 

Já pensou como muitas das nossas construções, sejam empresariais ou residenciais, são construídas de forma a nos afastar da cidade e das pessoas em volta? Muros altos, prédios gigantescos, portarias com inúmeras restrições… tudo isso afasta as pessoas do ambiente. Por isso, na arquitetura lenta, a interação com o ambiente é levada em consideração, de forma a incentivar que as pessoas realizem trocas e conexões não apenas com quem está dentro do mesmo espaço, mas também com a comunidade e com a natureza. 

Projetar para a função, antes da forma 

A arquitetura lenta estimula que os profissionais considerem as pessoas primeiro, antes de projetar a aparência dos exteriores. Pensar em quem vai habitar em primeiro lugar pode ter o poder de transformar os ambientes, estimulando as características únicas de cada lugar e fugindo da ideia de construções padronizadas que seguem apenas um padrão estético estabelecido. 

fachada colorida
(Crédito: Archdaily)

Projetar para a harmonia com a natureza 

Repensar a forma como nossas construções modernas invadem territórios e ameaçam o equilíbrio do ecossistema é essencial. Carolyn Strauss, arquiteta, pesquisadora e fundadora do Slow Lab, resume esse princípio: “Trata-se de entender a nós mesmos como parte de sistemas maiores e mover os humanos para fora do centro das coisas”. 

Projetar para priorizar o local 

A sustentabilidade anda sempre de mãos dadas com o regionalismo, já que ele é capaz de reforçar valores importantes para o equilíbrio ambiental, social e econômico. Valorizar a matéria-prima e a mão de obra regional torna os ambientes mais únicos, fortalece a economia local, e diminui o impacto ambiental, graças à economia de recursos como combustível. Além disso, o uso daquilo que está disponível perto pode baratear os custos dos projetos, sendo um aliado na democratização da arquitetura. 

Neste momento em que as mudanças climáticas avançam, a humanidade cresce e a necessidade de preservação se acentua, faz-se urgente que a arquitetura pratique ativamente a preservação de recursos e a construção de projetos feitos para durar. É hora de uma passagem – da demolição para a comunhão. 

casa nas pedras
(Crédito: Gerson Castelo Branco)
Compartilhe
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
VOLTAR
ESC PARA FECHAR
Minha avaliação desse conteúdo é
0 de 5
 

Arquitetura slow: o valor do tempo nas constr...

Arquitetura slow: o valor do tempo nas construções

  Sem votos
minutos de leitura
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Falar sobre a interação com a natureza e priorizar o ser humano que vive e habita a arquitetura, é de extrema importância !! Amei a matéria !! Que mais profissionais possam pensar desta forma !!!



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2024- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies