29.11.2023
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
Avaliar
(Imagem - Arch Digest)

O planeta esquenta, e a casa também

 minutos de leitura
calendar-blank-line
29.11.2023
Qual o caminho para sair disso? O especialista em sustentabilidade explica como as ondas de calor extremo estão ligadas às mudanças climáticas e dá dicas para deixar a casa e as ruas mais frescas - sem ar condicionado
minutos de leitura

Em 2023, o Brasil e o mundo viram as ondas de calor extremo se tornarem rotineiras: enquanto o verão no hemisfério norte bateu diversos recordes de temperatura, a primavera aqui no hemisfério sul não tem sido diferente. Isso pode ser explicado por uma conjunção de fatores, sobretudo pelo efeito das mudanças climáticas, que deixam os eventos climáticos extremos mais comuns e mais intensos, como foi o caso do El Niño esse ano. 

Para ouvir o artigo completo, clique no play abaixo:

Como apontou a BBC recentemente, a previsão é que eventos como esse se tornem mais frequentes e intensos daqui para frente, e de acordo com os especialistas, é urgente discutir planos de mitigação e adaptação a esses eventos climáticos extremos, como verões muito intensos e chuvas torrenciais.

Isso sem dúvida afeta muito a nossa vida dentro de casa, sobretudo porque muitas das nossas construções aqui no Brasil não foram pensadas para suportar esses extremos de temperatura, o que fez com que algumas casas tenham se transformado em fornos. E os efeitos do calor excessivo para a saúde são inúmeros, que vão desde os mais diretos como desidratação até os menos óbvios, como estresse e até mesmo depressão. 

aquecimento global ilustração
(Imagem – Grist)

De fato, ninguém merece passar o dia derretendo dentro de casa. Então, a solução mais óbvia e imediata que todo mundo vai pensar é a mesma: ficar num ambiente com ar condicionado. Porém, como apontou o Reset recentemente, o aumento na busca por ar condicionado num momento em que o planeta ferve é um grande paradoxo, já que a energia consumida pelo ar-condicionado eleva as emissões de gases de efeito estufa. 

A coluna escrita por Regina Sales Magalhães, doutora em Ciência Ambiental pela USP, aponta ainda outro problema importante: a pobreza energética. O consumo alto de energia gerado pelo ar condicionado aumenta expressivamente o gasto com energia elétrica, concorrendo com outras necessidades básicas. Além disso, não é todo mundo que tem acesso aos aparelhos de ar-condicionado. Dados do IBGE mostram que menos de 20% das famílias brasileiras possuem o aparelho em casa. 

ar condicionados na fachada de prédio
(Imagem – Bloomberg)

Isso significa que ninguém mais pode investir num ar-condicionado para ter um ambiente mais fresco? Claro que não! Porém, os dados nos lembram que as soluções para o clima nunca são individuais. Afinal, de que adianta termos uma casa confortável e fresquinha por dentro, enquanto por fora o mundo queima e a raiz do problema climático só cresce? 

Um cálculo feito pela The Economist mostrou que a substituição dos ar-condicionados que danificam a atmosfera reduziria o total de gases com efeito de estufa no equivalente a 90 mil milhões de toneladas de CO2 até 2050. Tornar as unidades mais eficientes em termos energéticos poderia duplicar esse valor. Por isso, se você vai investir num ar-condicionado para a sua casa ou escritório, aproveite a oportunidade para escolher um modelo com foco na eficiência energética. Além disso, vale lembrar que o ar condicionado não é a solução milagrosa para todos os ambientes, não só por apenas mitigar o calor e não resolver sua causa, mas também porque nem sempre ele será a opção mais viável e acessível. 

Então, algumas outras soluções podem ser feitas para deixar a casa mais fresca naturalmente:

  • Alguns tipos de luzes e outros aparelhos elétricos também podem aumentar o calor dentro de casa. Investir em modelos que esquentam menos, e até desligar um pouco os eletrônicos pode ajudar a resfriar o ambiente.  
ambiente com tons claros
(Imagem – Dako)
  • As plantas ajudam a tornar o ambiente dentro de casa mais agradável, umidificando o ar e equilibrando a temperatura.  
plantas na casa para umidificar o ar
(Imagem – Arch Digest)
  • Em estofados, tapetes e mais, evitar os tecidos sintéticos e priorizar os materiais naturais, como algodão e linho, é uma boa forma de impedir que a casa fique ainda mais quente. 
tons claros na sala para não aquecer
(Imagem – Asean Sourcing )

Fora de casa, para construções urbanas:

  • O concreto de pavimentações e edifícios contribui para o efeito das ilhas de calor, quando essas estruturas absorvem o calor do sol ao longo do dia e o irradiam. Por isso, evitar o concreto e substituí-lo por materiais “respiráveis” é uma mudança necessária para as cidades. Um exemplo disso são os corredores verdes na Colômbia. 
parede verde no viaduto
(Imagem – BBC)
  • A hidratação é essencial no calor, e pensar em como manter o acesso constante à água para a população também é uma preocupação que deve ser levada em conta nas construções. As fontes urbanas podem ajudar nesse caso. Em Paris, por exemplo, elas são comuns. 
horta na rua
(Imagem  – Viver Paris)
  • E por que não aproveitar o espaço de cima dos edifícios para deixar a natureza crescer? Os telhados verdes permitem que a vegetação cresça corretamente, melhorando a impermeabilização térmica do ambiente.
telhado verde
(Imagem – Archdaily)
Compartilhe
Avaliação 
Avalie
 
Sem votos
VOLTAR
ESC PARA FECHAR
Minha avaliação desse conteúdo é
0 de 5
 

O planeta esquenta, e a casa também...

O planeta esquenta, e a casa também

  Sem votos
minutos de leitura
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2024- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies