09.09.2022
Avaliação
()
artista vik muniz casa da moeda
Artista Vik Muniz mostrou um dos seus mais recentes projetos em parceria com a Casa da Moeda (Foto: Guto Campos)
5

“Arte tem a capacidade de tirar você de certas rotinas e trajetórias”, diz Vik Muniz

minutos de leitura
Artista plástico paulistano fez palestra no Archtrends Summit 2022 e contou sobre suas obras e processo criativo
minutos de leitura

“Eu faço as coisas para depois ficar pensando para que serve aquilo, o que é, por que eu fiz”, indagou Vik Muniz. “Existe essa dificuldade quase no discurso de todos os artistas, eles não conseguem explicar o que fazem”.

Para ouvir o artigo completo, clique no play abaixo:

Nome forte na arte contemporânea, Muniz deu uma palestra no Archtrends Summit 2022, organizado pela Portobello e realizado nesta quinta-feira (8), no hotel Rosewood. Antes de sua apresentação, falaram também Alex Atala, Gabriela de Matos, Humberto Campana e Nina Talks, Patricia Pomerantzeff no evento âncora da DW!, semana de design que ocorre até o dia 11 de setembro em São Paulo.

Palestra do artista Vik Muniz
Palestra do artista Vik Muniz no Archtrends Summit 2022

“Eu tenho interesse grande por epistemologia, que tem muito a ver com a ideia de design e arquitetura, e é como a mente interage com o mundo físico, com a matéria”, refletiu Muniz. “A gente pensa pouco sobre isso, mas existe um mundo fora de nós e um dentro”.

Em sua apresentação, contou como foram feitas algumas de suas obras mais famosas. Entre elas, Medusa Marinara (1997), em que recriou a obra Medusa de Caravaggio em seu prato de espaguete.

“Eu estava trabalhando numa obra de chocolate do Caravaggio, e estava comendo esse macarrão. Sobrou porque não estava muito bom”, conta. “Eu estava com o livro e resolvi fazer. No domingo estava no New York Times o meu prato de comida. Cinco minutos eu levei para fazer”.

Vik Muniz mostra recriação da obra Mona Lisa
Vik Muniz mostra recriação da obra Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, com alimentos (Foto: Guto Campos)

Em outra obra, de mesmo estilo, recriou a Monalisa com pasta de amendoim e geleia. “Muito do meu trabalho é baseado em ícones, arquétipos, coisas que conversam com uma bagagem visual que o espectador traz naquele ponto para a obra”, explicou.

No portfólio de trabalhos de maior escala, lembrou de quando desenhou nuvens sobre o céu de Nova York, em 2001, meses antes do ataque às Torres Gêmeas. “Durante três meses você andava no centro de Manhattan e passava uma nuvem, mas não uma verdadeira, mas o desenho de uma”, disse. “Quando você pergunta para que serve [arte], é bom. Se você coloca uma pedra no meio de uma calçada, aquilo é arte. Porque o camarada vai ter que mudar o rumo. Arte tem a capacidade de tirar você de certas rotinas, certas trajetórias”.

Mosaico do artista Vik Muniz
Mosaico do artista Vik Muniz em uma estação de metrô de Nova York (Foto: Guto Campos)

Em outro projeto, de escala microscópica, feito em parceria com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), conseguiu desenhar castelos em grãos de areia. “Fiz também o retrato da minha filha e joguei em Ipanema”, conta. "Em algum lugar, ela está lá". 

artista Vik Muniz reproduziu, com lixo, fotografias dos catadores locais
Vik Muniz reproduziu, com lixo, fotografias de catadores (Foto: Guto Campos)

Numa das suas criações mais famosas, feita em um aterro sanitário no Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro, reproduziu, com lixo, fotografias dos catadores locais. Esse projeto foi documentado no filme Lixo Extraordinário (2010), que chegou a ser indicado ao Oscar.

“Foi um projeto de três anos e mudou a vida dessas pessoas completamente, e mudou a minha também porque eu comecei a entender para que servia a arte”, disse. “Se ver numa escala enorme é fantástico, gera algo diferente na concepção que elas tinham de si mesmas. Para mim foi incrível, projetou a ideia da relação que o artista tem entre o intelecto e a criatividade, e o mundo físico. Se expandiu para o mundo das pessoas, humano”.

projeto do artista vik muniz parceria com a Casa da Moeda
Artista Vik Muniz mostrou um dos seus mais recentes projetos em parceria com a Casa da Moeda (Foto: Guto Campos)

Ele também exibiu um dos seus projetos mais recentes, em parceria com a Casa da Moeda, em que usou dinheiro picado para recriar os sete animais das notas brasileiras, como arara, peixe e garça. “Eles me deram dinheiro picado que não era usado e comecei a refazer os próprios animais”, disse. Ele mostrou ainda imagens de florestas também feitas com notas. 

“Fazer arte deveria ser uma ocupação como fazer exercício, todo mundo devia fazer porque é bom. Viver disso é um grande privilégio que eu tenho”, disse. "Arte é para todo mundo e tem que ter a capacidade de tirar a gente do lugar onde a gente está, mesmo que momentaneamente". 

Confira a íntegra da palestra de Vik Muniz no Archtrends Summit:

Compartilhe
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas
Sua avaliação

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2022- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies