20.07.2022
Avaliação
()
20.07.2022
Fachada da Casa Lleó i Morera
Fachada da Casa Lleó i Morera projetada pelo arquiteto catalão Lluís Domènech i Montaner (Foto: Bárbara Cassou)
0

Arquitetura modernista em Barcelona recebe moda e arte

Confira detalhes da renovação da famosa obra modernista Casa Lleó i Morera, em Barcelona, que agora sedia a marca de luxo espanhola Loewe
minutos de leitura

A marca de luxo espanhola Loewe reabre sua flagship store em Barcelona, apostando no formato de galeria de arte. O destaque da loja é estar localizada dentro de uma obra modernista da cidade, terra de Gaudí e toda uma geração de arquitetos do singular modernismo espanhol. 

Salão de entrada da loja
Salão de entrada da loja expõe alguns artigos de couro no conceito de galeria de arte (Foto: Bárbara Cassou)

A loja fica localizada em um edifício emblemático da cidade catalã: a Casa Lleó Morera. Uma obra modernista projetada pelo arquiteto catalão Lluís Domènech i Montaner. A quadra onde o edifício se encontra é uma das mais importantes de Barcelona, chamada de manzana de la discórdia (que significa “quadra da discórdia”). Foi chamada assim por abrigar grandes edifícios icônicos, de famílias poderosas, que antigamente disputavam poder através do status de quem tinha a casa com mais visibilidade no quarteirão. Tem como vizinha a famosa Casa Batlló de Antoni Gaudí. 

Quer conhecer mais edifícios emblemáticos de Barcelona? Clique aqui! 

A Loewe de Barcelona permaneceu fechada algum tempo para esta grande renovação. Além de projetar um interior envolvente para seus clientes, também restaurou os detalhes originais desta obra modernista do século 19, inclusive os detalhes em folhas de ouro que adornam o teto. 

instalação de Tanabe Chikuunsai IV
A instalação de Tanabe Chikuunsai IV envolve o interior da loja Loewe em Barcelona (Foto: Bárbara Cassou)

O diretor criativo Jonathan Anderson fez a curadoria de obras de arte e móveis de design especialmente para compor o projeto da loja. Estes móveis e objetos mesclam-se com as roupas e acessórios Loewe em grande harmonia. 

O grande diferencial do varejo físico da Loewe é promover e mostrar arte de vários artistas. Especialmente para a loja de Barcelona, o artista japonês Tanabe Chikuunsai IV foi convidado para criar uma instalação. Essa grande obra é o conjunto de 6 mil peças de bambu tigre entrelaçadas, que criam formas tubulares tecendo o teto, paredes e colunas estruturais do interior da loja. 

Móveis icônicos, como a cadeira Utrecht de Gerrit Thomas Reitveld, fazem parte da curadoria do design de interiores da loja (Foto: Bárbara Cassou)

A Loewe é especializada em artigos de luxo, principalmente de couro. Foi fundada em 1846 e hoje faz parte do grupo LVMH, multinacional que faz gestão de 75 marcas de luxo de todos os setores, como Tiffany & Co, Princess Yachts, Sephora, Dior e Fendi. A marca se tornou popular e relevante no começo do século 20, quando a rainha Ena, da Espanha, virou cliente regular da marca. 

Como a Loewe traz na sua identidade a tradição junto com a inovação, a Casa Loewe de Barcelona também reflete este manifesto. A obra arquitetônica de Domènech i Montaner se mescla em harmonia com a obra de arte contemporânea de Tanabe.  

Detalhes dos cantinhos de exposição de produtos da marca Loewe (Foto: Bárbara Cassou)

Outra obra importante na loja é a instalação imersiva de 2018 do museu Tate, de Londres, desenvolvida em colaboração com Anthea Hamilton. Móveis icônicos de design também estão presentes pela loja, como a cadeira Utrecht de Gerrit Thomas Rietveld.

O visual merchandising é um detalhe à parte. A forma que os pequenos acessórios da marca são expostos respira criatividade. Caixas de acrílico envolvem várias camadas de feltros coloridos, que, cortados, fazem os encaixes para carteiras, joias e outros acessórios da Loewe.

Expositores criativos feitos de acrílico e feltro
Expositores criativos feitos de acrílico e feltro são parte do visual merchandising inusitado da loja (Foto: Bárbara Cassou)

A Casa Loewe em Barcelona é exemplo de intervenção arquitetônica ressaltando e conservando o patrimônio público. Observamos que é possível e essencial mesclar a arquitetura contemporânea atual, preservando e respeitando a história da arquitetura modernista. 

Compartilhe
Em análise Seu comentário passará por moderação.
Você avaliou essa matéria com 1 estrela
Você avaliou essa matéria com 2 estrelas
Você avaliou essa matéria com 3 estrelas
Você avaliou essa matéria com 4 estrelas
Você avaliou essa matéria com 5 estrelas
Sua avaliação

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Bárbara Cassou
Colunista
Correspondente internacional

Bárbara Cassou, correspondente internacional Portobello em Barcelona Arquiteta e designer, mestre em Retail Design...

Conhecer artigos



Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de arquitetura e design no Brasil e no mundo.

    O Archtrends Portobello é a mais importante fonte de referências e tendências em arquitetura e design com foco em revestimentos.

    ® 2022- Archtrends Portobello

    Conheça a Política de Privacidade

    Entenda os Termos de Uso

    Veja as Preferências de Cookies